quinta-feira, 28 de julho de 2011

VELHO AOS 15: CAPTAÇÃO DE TALENTO CADA VEZ MAIS PRECOCE NA BASE.

Tradicionais peneiras priorizam promessas até 13 anos e indicação de observadores se torna principal porte de entrada em grandes clubes
Por Cahê Mota e Pedro VeríssimoDireto de Apucarana, Paraná

A pergunta é comum durante a infância. Já a resposta, aqui no Brasil, mais normal ainda. Aborde uma criança na rua e questione: “O que você quer ser quando crescer?”. A imensa maioria emenda de primeira: “Jogador de futebol”. Pois então, trate de perguntar o quanto antes, porque, com a precocidade cada vez maior nas categorias de base, pode ser tarde demais. Aos 15 anos, por exemplo, um adolescente ainda sem pêlos no rosto é considerado velho para buscar o mundo de sonhos que uma bola é capaz de propiciar.
Primeira categoria com disputa em alto rendimento em âmbito nacional, o Sub-15 já exige da molecada cada vez mais conhecimentos táticos e estrutura física, o que torna o tradicional peladeiro de rua um extraterrestre se jogado as feras. Nesta idade, as velhas peneiras são cada vez mais escassas e o índice de aproveitamento beira o zero. Lógico com um termo de exceção: o jogador muito diferenciado.
São Paulo sub-15 preleção geração moicanos (Foto: Cahê Mota / Globoesporte.com)São Paulo Sub-15: jovens com mesma idade são "velhos" para começar (Cahê Mota / Globoesporte.com)









- O processo de captação e seleção de talentos no São Paulo começa aos 10 anos. Aos 13, já temos a definição de quem vai para o alojamento para, aos 14, começar o trabalho dentro da nossa metodologia. Com 15 anos, dificilmente o jovem entra no clube. A não ser que tenha destaque em outra equipe. Com essa idade, creio que, quem não estiver em nível competitivo, dificilmente chegará ao profissional – explica Marcelo Lima, coordenador da base do clube paulista.
A teoria é regra em quase todos os grandes clubes do país, como ficou provado na Copa Brasil Sub-15. O tratamento dado a jogadores nesta idade, tanto em carga de trabalho quanto em nível de estrutura em alojamentos, escolas, ajudas de custos, entre outras coisas, torna inviável a captação de um talento “zerado”. A partir do Sub-15, a margem de erro é baixíssima em um caminho que cada vez mais estreito.
A partir de 16, 17, já fica muito complicado. Talvez tecnicamente até se aproxime, mas em outros quesitos já está perdendo muito tempo"
Marcelo Vilhena, técnico do Cruzeiro
- A partir de 16, 17, já fica muito complicado. Se considerarmos a carga de trabalho, que são sete treinos de duas horas por semana, multiplicado por um ano, um menino que nunca jogou fica para trás em questões físicas e táticas. Talvez tecnicamente até se aproxime, mas em outros quesitos já está perdendo muito tempo – diz Marcelo Vilhena, treinador do infantil do Cruzeiro.
O difícil não é impossível, mas não faltam fatores que tornam raros o sucesso de quem sai da rua em busca de oportunidade a partir dos 15 anos. No Grêmio, o treinador Gustavo Fragoso até admite que há casos. Entretanto, assim como o profissional do Cruzeiro, lembra que situações que independem do talento desportivo têm interferência determinante.
- Tem muita gente que leva em consideração que com 15 anos o garoto tem que ter experiência competitiva. Já aconteceu comigo de atleta de 15 anos se inscrever em peneira e dar certo, mas o normal é nesta idade um garoto que já fez uma base em outro clube se transferir. O garoto da várzea tem mais dificuldades, fica mais inibido, sofre com o hábito do equipamento. Às vezes está acostumado a jogar descalço, sem caneleira...
Cruzeiro sub-15 preleção geração moicanos (Foto: Cahê Mota / Globoesporte.com)
Jovem cruzeirense durante Copa Brasil Sub-15:
Referência na revelação de talentos pelas gerações de Meninos da Vila protagonizadas por Diego e Robinho, e Neymar e Ganso, o Santos tem uma tolerância maior e realiza testes com promessas de 9 aos 17 anos. O clube, no entanto, não conta com a descoberta de bons valores em grandes centros ou até mesmo interior dos principais estados nacionais. A busca é direcionada basicamente a lugares de difícil acesso, onde a joia está completamente escondida, conforme revela o supervisor da base, Bebeto Stival.
- As clínicas ajudam a permitir que o garoto da rua seja avaliado. Procuramos ir a locais que alguns clubes jamais tiveram acesso. Até mesmo para isso, achar a criança da rua, que joga descalço, de forma espontânea e com alegria. Esse é o garoto que o Santos quer. Porque é ele que vai preencher a nossa filosofia e forma de jogar.
Ainda assim, a crença não foge muito a regra:
- Quanto menor, mais fácil de se encontrar. Com o tempo, fica muito difícil. Com 17 anos, é complicadíssimo achar um menino diferente. Até porque, nessa idade, já vai estar jogando em algum lugar. Depois dos 15, a maioria já vingou ou não. Da categoria 97 para baixo, ainda há facilidade. Tem que correr atrás e buscar – conclui Bebeto.
A estatística, por sua vez, dá o tom do quanto é difícil entrar na longa fila até o futebol profissional. De acordo com o supervisor santista, a aprovação de talentos em avaliações no ano de 2010 ficou próxima dos 2%.

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    NORTERIOGRANDENSE DE FUTSAL COMEÇA NO PRÓXIMO SÁBADO (21) (TABELA COMPLETA)

    Foto: abcfc Campeonato Norteriograndense de Futsal será iniciado no próximo sábado com a participação de 6 equipes. 1. Cruzeiro/Ulbr...